O que você precisa saber sobre o Relógio do Juízo Final

Getty Images

Getty Images

Os ponteiros do “Relógio do Juízo Final” foram atualizados ontem (24)

Os ponteiros do “Relógio do Juízo Final”, usado pelos principais cientistas para avaliar o quão perto a humanidade está da auto aniquilação, avançaram para 90 segundos na meia-noite de ontem (24), o nível de ameaça mais alto na história do projeto – aqui estão as referências para entender a gravidade.

2 minutos para a meia-noite. 2018.

As preocupações nucleares foram mais uma vez o centro das atenções quando o Boletim voltou o relógio para dois minutos para a meia-noite em 2018, quando o grupo disse que as principais potências nucleares estavam “à beira de uma nova corrida armamentista”.

2 minutos para a meia-noite. 2019.

O boletim listou a saída dos EUA como líder nuclear global, particularmente o abandono do acordo nuclear com o Irã e a retirada do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário, como “passos graves em direção a um desmantelamento completo do processo global de controle de armas”.

100 segundos para a meia-noite. 2020.

O Bulletin of Atomic Scientists, que supervisiona o relógio, disse que os riscos de guerra nuclear e mudança climática, agravados pela disseminação de desinformação e comportamento dos líderes mundiais, justificam adiantar o relógio para 100 segundos para a meia-noite, o mais próximo da meia-noite possível. tinha sido antes da atualização de terça-feira.

100 segundos para a meia-noite. 2021.

O boletim citou “a aceleração dos programas nucleares em vários países”, a pandemia de Covid-19 e o fracasso contínuo dos governos em lidar com as mudanças climáticas como razões para manter o relógio em 100 segundos para a meia-noite, ilustrando que “estamos presos em um momento perigoso. ”

O “Relógio do Juízo Final! é um símbolo de quão perto a humanidade está da auto aniquilação. Foi criado em 1947 após as primeiras detonações nucleares do mundo pelo Bulletin of the Atomic Scientists, um grupo de cientistas que trabalhou no Projeto Manhattan, o esforço dos EUA responsável pelo desenvolvimento da primeira arma nuclear do mundo. O Boletim, por meio de um grupo de especialistas, é responsável por acertar os ponteiros do relógio a cada ano. Especialistas dizem que é melhor usar os horários como uma forma de estimular a discussão, destacando os riscos e como um alerta, em vez de uma avaliação de risco estrita ou indicação do tempo que resta à humanidade. O relógio foi originalmente acertado para sete minutos a partir da meia-noite em 1947 e o mais distante da meia-noite que já foi acertado foi 17 minutos em 1991, seguindo a queda da União Soviética e a assinatura do Tratado de Redução de Armas Estratégicas.

Durante 25 vezes o boletim acertou o relógio desde a sua criação. Desde 1991, tem se aproximado cada vez mais da meia-noite, exceto por um breve adiamento entre 2010 e 2012, quando foi ligeiramente recuado. Os riscos das mudanças climáticas foram incluídos pela primeira vez em 2017, quando o relógio foi adiantado cinco minutos para meia-noite, e têm sido um ponto de discussão proeminente nos anúncios do boletim desde então.

Fonte: Forbes Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: