Novas questões surgem em torno dos empréstimos de campanha de George Santos



CNN

A campanha do aguerrido Rep. Jorge Santos na terça-feira apresentou relatórios atualizados aos reguladores federais que parecem levantar novas questões sobre a origem dos empréstimos pessoais substanciais que ele disse ter feito para sua campanha.

O republicano de Nova York, alvo de várias investigações sobre suas finanças e invenções sobre sua biografia e currículo, afirmou anteriormente que emprestou à sua campanha mais de US$ 700.000.

Mas em dois dos novos registros da Comissão Eleitoral Federal, as caixas indicando que os empréstimos de US$ 500.000 e US$ 125.000 vieram de fundos pessoais não foram marcadas.

A Besta Diária relatou pela primeira vez sobre os arquivos FEC alterados.

Especialistas em financiamento de campanha dizem que não ficou imediatamente claro o significado dessas mudanças.

“Não tenho ideia do que está acontecendo com os empréstimos”, disse Jordan Libowitz, do grupo de vigilância Cidadãos por Responsabilidade e Ética em Washington, à CNN na quarta-feira. “É sem dúvida o arquivo FEC mais confuso que já vi.”

Ao todo, Santos apresentou 10 relatórios de emendas à FEC na terça-feira – desde o início de 2021 – enquanto sua campanha enfrenta intenso escrutínio. A campanha tem um histórico de apresentação de várias alterações aos seus registros originais. E a agência enviou quase duas dúzias de cartas para sua campanha ao longo de dois ciclos eleitorais, buscando esclarecimentos sobre seus registros.

“Pode ser que esta seja a contabilidade mais desleixada de qualquer candidato que já vimos”, disse Libowitz. Mas ele disse que se Santos não forneceu o dinheiro para os empréstimos, isso levanta questões sobre se ele veio de uma fonte proibida.

Embora os candidatos possam contribuir – ou emprestar – uma quantia ilimitada de seus próprios fundos para suas campanhas, é ilegal aceitar uma contribuição de seis dígitos de outra pessoa. Também é contra a lei que uma corporação doe uma quantia de qualquer valor diretamente a um candidato ao Congresso.

Em uma conversa tensa com repórteres na manhã desta quarta-feira, Santos não quis explicar por que os relatórios de campanha foram alterados e se recusou a discutir a origem dos recursos.

“Vamos deixar bem claro: eu não emendo nada, não mexo em nada do meu FEC, certo?” ele disse à CNN. “Portanto, não seja hipócrita e denuncie que sim, porque você sabe que toda campanha contrata fiduciários.”

A CNN procurou o advogado pessoal de Santos, Joe Murray, e sua tesoureira de campanha, Nancy Marks, para comentar.

Algumas das maiores questões sobre a atividade de campanha de Santos se concentraram no lucro financeiro inesperado que permitiu ao republicano emprestar US$ 705.000 para sua bem-sucedida campanha de 2022. Santos derrubou uma cadeira ocupada pelos democratas em Long Island em novembro, ajudando os republicanos a obter uma estreita maioria na Câmara.

Na candidatura anterior e fracassada de Santos ao Congresso, em 2020, seu formulário de divulgação financeira pessoal listava nenhum patrimônio e um salário de $ 55.000. Dois anos depois, Santos relatou um salário de $ 750.000 de uma empresa chamada Devolder Organization.

Ele deu várias explicações sobre a natureza das atividades comerciais da Devolder.

Em entrevista à Semafor, Santos descreveu Devolder como realizando “construção de negócios” e “consultoria especializada” para “indivíduos com alto patrimônio líquido” e disse que havia “conseguido alguns contratos de milhões de dólares” nos primeiros seis meses após o início do empresa. Uma queixa recente da FEC contra Santos do Campaign Legal Center observa que Santos anteriormente a chamava de “a empresa de sua família” e se descrevia como supervisionando US$ 80 milhões em ativos sob gestão.

Adav Noti, diretor jurídico do Campaign Legal Center, disse que os processos de Santos continuam confusos.

Ao longo do ciclo, a campanha foi “inconsistente” em marcar a caixa de fundos pessoais no que se refere a empréstimos, disse ele. Portanto, não está claro se as mudanças de terça-feira foram intencionais.

“Como tudo relacionado a Santos, é um mistério”, disse Noti.

Além disso, disse ele, os novos registros não parecem abordar algumas das questões prementes sobre os gastos da campanha de Santos, como as dezenas de desembolsos de pouco menos de US$ 200.

CNN já relatou que a campanha relatou 37 despesas de $ 199,99, um centavo abaixo do limite acima do qual as campanhas são obrigadas a reter receitas. Em sua denúncia, o Campaign Legal Center argumentou que o número absoluto dessas despesas de US$ 199,99 é “implausível” e pediu à FEC que investigasse se Santos falsificou seus registros.

Noti disse que é hora de a agência iniciar uma investigação formal ou realizar uma auditoria completa da campanha de Santos.

Judith Ingram, porta-voz da FEC, recusou-se a comentar, citando a política da agência de não comentar sobre a aplicação ou possíveis questões de aplicação.

Esta história foi atualizada com relatórios adicionais.

Fonte: G1 – CNN

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: