Halyna Hutchins: Em suas próprias palavras



CNN

Halyna Hutchins morreu fazendo o que amava no set do filme “Rust”.

E esse amor está sendo retribuído quando colegas e amigos se lembram do jornalista que virou diretor de fotografia que morreu depois que a estrela do filme e produtor executivo Alec Baldwin disparou uma arma de propulsão no set no Novo México na semana passada.

Hutchins tinha 42 anos.

O diretor do filme, Joel Souza, 48, também ficou ferido durante o incidente.

Hutchins participou uma transmissão ao vivo do Blackmagic Collective em abril, onde ela falou sobre seu cinema.

“Gosto de histórias que [are] enraizada na realidade ou em personagens reais, mas minha parte favorita é realmente criar o mundo onde a história existirá”, disse ela.

Natural da Ucrânia, Hutchins cresceu em uma base militar soviética no Círculo Polar Ártico,
“cercado por renas e submarinos nucleares”, segundo o site dela. Ela obteve uma pós-graduação em Jornalismo Internacional pela Universidade Nacional de Kyiv.

Ela trabalhou como jornalista investigativa com produções de documentários britânicos na Europa, onde fez documentários para a BBC e Discovery antes de se mudar para a cidade de Nova York.

“Em Nova York, eu realmente me dediquei à fotografia”, disse Hutchins em uma entrevista para “Por que as mulheres estão se destacando em Hollywood” postado no YouTube em junho. “Fotografia de moda, eu fiz muito e só queria fazer filmes de arte, na verdade. Apenas algo realmente em grande escala, bonito, apenas cinema de arte.”

“Quando me mudei para Los Angeles, tentei descobrir qual seria o próximo passo”, disse ela. “Por onde você começa quando não conhece ninguém? Por onde você começa?

Isso a levou a um curso de extensão da UCLA para direção “só para molhar os pés”, lembrou Hutchins. Ela rapidamente descobriu que amava cinematografia mais do que dirigir.

“Fiz uns 15 shorts lá”, disse ela. “Então, continuei filmando e pensei que essa provavelmente era a minha vocação.”

Hutchins trabalhou com uma empresa de iluminação e depois frequentou o que chamou de “a melhor instituição para a minha profissão”, o Conservatório do American Film Institute (AFI), onde se formou em 2015.

Após sua morte, o ator Jensen Ackles, que trabalhou com Hutchins em “Rust”, postado no Instagram que ele havia doado para um fundo de bolsas AFI em nome dela.

“No início da semana passada, senti-me compelido a dizer a Halyna o quão incrível eu a achava. Eu disse a ela o quão incrível eu achava que suas fotos eram e o quão emocionante era vê-la e sua equipe trabalhando”, escreveu ele. “Verdadeiramente. Ela riu e disse obrigado e me deu um abraço. Serei eternamente grato por termos tido esse momento.”

Durante a transmissão ao vivo do Blackmagic Collective, Hutchins compartilhou o que a atraiu em diferentes filmes.

“A base dos personagens é a parte mais emocionante para mim”, disse ela. “Se eu puder embarcar em uma jornada com os personagens. O gênero realmente não importa, é apenas o ambiente que você cria em torno dele para transmitir a jornada do personagem.”

“Se eu quiser ver este filme, gostaria de fazê-lo”, disse ela.

Quando questionada durante a entrevista “Por que as mulheres estão se destacando em Hollywood” o que a atraiu na cinematografia, Hutchins teve uma resposta sincera.

“É uma paixão, com certeza”, disse ela. “Depois de pegar o bug, você não pode sair dele.”

Fonte: G1 – CNN

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: