Grupo de parlamentares do Peru pedem impeachment da presidente Dina Boluarte


A moção foi assinada por mais de 20 parlamentares, mas precisa ser aprovada por pelo menos 52 para ser votada no Congresso. Nova presidente do Peru, Dina Boluarte, durante discurso para a população em 12 de dezembro.
REUTERS
Parlamentares do Peru apresentaram nesta quarta-feira (25) uma moção que pede o impeachment da presidente Dina Boluarte, de acordo com documento obtido pela Reuters.
A medida ocorre em meio a violentos protestos que tomaram as ruas do país após o impeachment e a prisão de seu antecessor, o ex-presidente Pedro Castillo, que deixaram dezenas de mortos.
‘Tomada de Lima’: quem está por trás e o que pedem nos protestos com dezenas de mortos no Peru
Dina Boluarte chegou ao poder depois que o Congresso aprovou o impeachment de Castillo. Ele foi destituído após uma tentativa de dissolver o Legislativo e decretar estado de exceção e toque de recolher no Peru, que não obteve o apoio do exército, Judiciário ou Legislativo.
LEIA MAIS
Entenda a crise que derrubou Pedro Castillo
Quem é Pedro Castillo, ex-presidente do Peru que tentou dissolver o Congresso e foi preso
Da presidência à prisão em um só dia: entenda como Castillo tentou golpe e fracassou em sua cartada final no Peru
A medida do ex-presidente visava impedir a conclusão da votação do seu processo de impeachment no Congresso. Aquele foi o terceiro processo que Castillo enfrentou em um ano e meio de poder, além de ser investigado em vários processos.
A moção, que foi assinada por mais de 20 parlamentares de esquerda que apoiam Castillo, segundo a Reuters, deve ser aprovada por 52 votos antes de poder ser debatida no Congresso.
As manifestações
Os manifestantes querem a renúncia de Boluarte, o fechamento do Congresso, uma nova Constituição e a libertação de Castillo.
Também houve marchas que pedem o fim da agitação política.
Grupos de direitos humanos acusam as autoridades de usar armas de fogo contra os manifestantes e de usar helicópteros para jogar bombas de fumaça.
O exército afirma que os manifestantes usaram armas e explosivos caseiros.
Em 10 de janeiro, a Procuradoria do Peru afirmou que começou a investigar Boluarte e pessoas do governo dela por “genocídio, homicídio qualificado e ferimentos sérios” relacionados à reação aos protestos.

Fonte: G1 – CNN

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: