Engenheiro chinês condenado a 8 anos de prisão nos EUA por espionagem



CNN

Um ex-aluno de pós-graduação em Chicago foi condenado a oito anos de prisão quarta-feira por espionar para o governo chinês, reunindo informações sobre engenheiros e cientistas nos Estados Unidos.

Ji Chaoqun, um cidadão chinês que veio para os EUA para estudar engenharia elétrica no Instituto de Tecnologia de Illinois em 2013 e depois se alistou na reserva do Exército dos EUA, foi preso em 2018.

O homem de 31 anos foi condenado em setembro passado por agir ilegalmente como agente do Ministério de Segurança do Estado da China (MSS) e por fazer uma declaração falsa ao Exército dos EUA.

De acordo com o Departamento de Justiça, Ji foi encarregado de fornecer a um oficial de inteligência informações biográficas sobre indivíduos para possível recrutamento como espiões chineses. Os indivíduos incluíam cidadãos chineses que trabalhavam como engenheiros e cientistas nos EUA, alguns dos quais trabalhavam para empresas de defesa americanas.

A espionagem de Ji fazia parte de um esforço da inteligência chinesa para obter acesso a tecnologias aeroespaciais e de satélite avançadas desenvolvidas por empresas americanas, disse o Departamento de Justiça em um comunicado.

Em 2016, um ano após a formatura, Ji se alistou na Reserva do Exército dos EUA em um programa no qual estrangeiros podem ser recrutados se suas habilidades forem consideradas “vital para o interesse nacional”.

Em sua inscrição para ingressar no programa, Ji afirmou falsamente que não teve nenhum contato com um governo estrangeiro nos últimos sete anos. Ele também não revelou seu relacionamento e contatos com oficiais de inteligência chineses em uma entrevista subsequente com um oficial do Exército dos EUA, de acordo com o Departamento de Justiça.

Em 2018, Ji teve várias reuniões com um agente da lei dos EUA disfarçado que se fazia passar por representante do MSS da China. Durante essas reuniões, Ji disse que com sua identificação militar, ele poderia visitar e tirar fotos de porta-aviões “classe Roosevelt”. Ji também explicou que assim que obtivesse sua cidadania americana e autorização de segurança por meio do programa de reservas do Exército, ele procuraria um emprego na CIA, FBI ou NASA, disse o Departamento de Justiça, citando evidências no julgamento.

Ji pretendia realizar trabalho de segurança cibernética em uma dessas agências para ter acesso a bancos de dados, incluindo aqueles que continham pesquisas científicas, disse o Departamento de Justiça no comunicado.

Ji estava trabalhando sob a direção de Xu Yanjun, vice-diretor de divisão da filial provincial de Jiangsu do MMS, disse o comunicado.

Xu, um oficial de inteligência de carreira, foi condenado no ano passado a 20 anos de prisão por conspirar para roubar segredos comerciais de várias empresas de aviação e aeroespacial dos EUA. Xu também foi o primeiro espião chinês extraditado para os EUA para julgamento, depois de ser detido na Bélgica em 2018 após uma investigação do FBI.

Fonte: G1 – CNN

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: