Defensoria Pública da União atende 200 pessoas envolvidas em tentativa de golpe em Brasília


Golpistas usam gradil para quebrar prédio público em Brasília no domingo, 8 de janeiro
Ton Molina/AFP
A Defensoria Pública da União atende aproximadamente 200 pessoas envolvidas nos atos golpistas de 8 de janeiro.
Nesta terça-feira (24), os defensores estiveram reunidos com o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), para apresentar um relatório sobre a situação dos assistidos pelo órgão.
Compartilhe no WhatsApp
Compartilhe no Telegram
Embora muitos saibam a gravidade dos delitos que causaram ao depredar as sedes dos três Poderes, há envolvidos que viajaram de outras cidades até Brasília porque acharam que era uma oportunidade de passear.
O relato é do defensor público da União que atua junto ao STF, Gustavo de Almeida Ribeiro, que revelou ainda que “há pessoas que estavam em situação de rua e que vieram a Brasília em troca de um prato de comida. Ouvimos isso mais de uma vez”.
A Defensoria Pública presta assistência jurídica de graça para quem não tem condição de pagar. Logo após os atos antidemocráticos, os advogados começaram a prestar esclarecimentos para os envolvidos.
Muitos assistidos pelo órgão foram soltos após as audiências de custódia.
A reunião com ministro Alexandre de Moraes teve objetivo de apontar para alguns casos, principalmente de idosos, que poderiam cumprir medidas alternativas às prisões. O ministro deve analisar o pedido nos próximos dias.
Situação dos Presos
A Defensoria Pública da União entregou um relatório sobre as condições dos presos no auge das prisões em 10 de janeiro.
O documento mostra que apesar da lotação dos presídios, que chegaram a registar aumento de 10% da população prisional, todos estavam dormindo em colchões nas celas.
Os presos também relataram que foram atendidos de forma digna e respeitosa. O documento mostra ainda que um dos presos foi detido com 3 mil reais, e outro, que se identificou como policial civil aposentado, estava com uma arma e um cofre. Após as audiências de custódia, o STF converteu 942 prisões em flagrante em prisão preventiva e liberou 464 investigados.

Fonte: G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: