Adani Group é acusado de ‘maior golpe da história corporativa’

Imagem/Divulgação

Imagem/Divulgação

Gautam Adani, presidente do conglomerado Adani Group e terceira pessoa mais rica do mundo

As ações das empresas indianas do Adani Group caíram acentuadamente na manhã de hoje, depois que a Hindenburg Research, empresa especializada em pesquisa financeira, divulgou uma posição vendida contra o conglomerado, enquanto acusava as empresas pertencentes a Gautam Adani, terceira pessoa mais rica do mundo, de fraude.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

FATOS PRINCIPAIS

● Em um relatório revelando sua posição vendida, a Hindenburg alegou que as empresas do Adani Group – pertencentes ao homem mais rico da Ásia – haviam “se envolvido em um esquema descarado de manipulação de ações e fraude contábil ao longo de décadas”.

● As ações da Adani Enterprises, principal empresa do Adani Group, caíram mais de 3%, para US$ 40,77 (R$ 207,18, na cotação atual) na tarde de hoje, enquanto os portos da Adani caíram mais de 6,5%.

● Outras empresas listadas no Grupo Adani também tiveram um desempenho ruim, com as ações da empresa de alimentos Adani Wilmar caindo quase 5%; Adani Power caindo 4,7%; Adani Transmission, 5,19%; Adani Total Gas, 4,77%; e Adani Green Energy, 3,55%.

● As ações da emissora de notícias indiana New Delhi Television (NDTV) – que foi recentemente comprada pela Adani em uma aquisição hostil – também caíram 5%, enquanto as empresas de cimento Ambuja e ACC, que também foram recentemente adquiridas pela Adani, caíram 8% e 6,6%, respectivamente.

● Hindenburg diz que assumiu suas posições vendidas “por meio de títulos negociados nos EUA e instrumentos derivativos não negociados na Índia”.

● A divulgação é provavelmente um grande golpe para o conglomerado, já que sua principal empresa, a Adani Enterprises, deve realizar uma oferta pública subsequente de US$ 2,45 bilhões (R$ 12,5 bilhões) na sexta-feira.

INFORMAÇÃO IMPORTANTE

À Forbes USA, o CFO da Adani Group, Jugeshinder Singh, rejeitou o relatório de Hindenburg, dizendo que é “uma combinação maliciosa de desinformação seletiva e alegações obsoletas, infundadas e desacreditadas que foram testadas e rejeitadas pelos mais altos tribunais da Índia”. A declaração acrescenta que a empresa nunca foi contatada por Hindenburg e critica o momento da publicação do relatório, dizendo que é “claramente uma intenção descarada e de má-fé de minar a reputação do Grupo Adani com o objetivo principal de prejudicar a próxima Oferta Pública de Acompanhamento da Adani Enterprises”.

NOSSA AVALIAÇÃO

A revelação de Hindenburg levou a uma queda de 5% ou US$ 6,4 bilhões (R$ 32,6 bilhões) na fortuna de Gautam Adani. De acordo com nossas estimativas, o patrimônio líquido de Adani agora é de US$ 120 bilhões (R$ 609,8 bilhões), tornando-o a terceira pessoa mais rica do mundo. Se a liquidação continuar, Adani pode ceder o terceiro lugar para Jeff Bezos, cujo patrimônio líquido estimamos ser de US$ 119,5 bilhões (R$ 607,8 bilhões).

O QUE DIZ O RELATÓRIO

A Hindenburg, em seu relatório, diz que se trata do “maior golpe da história corporativa” e faz várias alegações sérias contra a família Adani e seu grupo de empresas, incluindo o suposto uso de entidades de fachada offshore e manipulação de ações. Hindenburg diz ter identificado 38 supostas empresas de fachada com sede nas Ilhas Maurício controladas por Vinod Adani, irmão mais velho de Gautam Adani, juntamente a várias outras empresas semelhantes com sede em Chipre, Emirados Árabes Unidos, Cingapura e várias ilhas do Caribe.

O relatório alega que as empresas de fachada são usadas para “manipulação de ações” e “lavagem de dinheiro”, usando empresas privadas do Adani Group nos livros de empresas listadas “a fim de manter a aparência de saúde financeira e solvência”. O relatório também critica “investidores, jornalistas, cidadãos e até políticos”, dizendo que eles não se manifestaram sobre a “grande fraude flagrante [ocorrendo] em plena luz do dia” por medo de represálias. O relatório de Hindenburg teve cobertura dispersa na mídia indiana.

As pesquisas de Hindenburg ganharam destaque em 2020, quando um de seus relatórios ajudou a derrubar Trevor Milton, fundador da empresa de caminhões elétricos Nikola. Em seu relatório, Hindenburg acusou Nikola de ser “uma fraude intrincada construída sobre dezenas de mentiras” e disse que Milton foi o responsável pela maior parte disso. O fundador da empresa deixou o cargo e mais tarde foi considerado culpado de fraude criminal e de valores mobiliários. Hindenburg também assumiu a Clover Health e a fabricante de veículos elétricos Lordstown Motors. Em julho do ano passado, Hindenburg divulgou uma posição comprada no Twitter, apostando no fato de que a aquisição planejada de US$ 44 bilhões da empresa de mídia social por Elon Musk continuaria, apesar dos esforços do bilionário para desistir do negócio.

Fonte: Forbes Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: